quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Controle


Muitas vezes decidimos não nos importar!
Às vezes levamos cada pancada na vida que resolvemos não sonhar, não fazer planos, não viver de expectativas, não gostar, não se apegar, não amar, não desejar!
Alguns fingem para as pessoas ter o controle, outros fingem pra si mesmos, e de fato alguns têm o controle, vai passando os dias até que você deixa ele em algum lugar da sua casa, talvez dentro do armário, de baixo do travesseiro, dentro da bolsa, atrás do sofá mais não sabermos onde colocamos, as vezes o perdemos, talvez num olhar, num abraço, em uma conversa boa, um sonho que te fez bem e quando se dá conta lá se foi o controle que achava que tinha!
Quando ele estraga, ainda está tudo bem porque percebeu rápido e pode concertar, agora quando ele quebra, fica em mil pedacinhos ai não tem como colar, nem voltar atrás... é arcar com as consequências que virão, você sabe que vai doer um pouquinho e que a única saída será o Merthiolate, vai arder mais um dia sara, não tem muito o que fazer o que resta é se contentar e imaginar que alguma coisa boa vai sair disso tudo. Daí em diante em meio as pancadas você resolve ter o controle de novo, mais infelizmente não é só você ir na loja e compra um novo, começa tudo de novo, peça por peça, tentando manter o controle de tudo, até que a história se repete!
Não adianta... Você sempre vai cair, passe o tempo que passar uma hora você perde o controle, temos que viver e pronto, não dá pra fugir!
É erguer a cabeça e ir passando pelas pancadas que a vida trás e as que criamos!
Afinal a vida não é uma máquina que nos manuseamos.
Ou você vive ou deixa muita coisa passar por estar preocupada com o tal controle!

Mais um ano...


Hoje 23 anos vividos... E a cada ano que passa você medita nos acontecimentos! Nessa meditação você percebe que foi mais um ano de planos!
Percebe que a melhor época foi à infância, não tem tantas responsabilidades, não têm noção do que há de vir, não há confusão de sentimentos, não há malícia, é tudo muito puro, muito verdadeiro, não há lugar pra mágoas nem raiva, a vida é uma brincadeira de verdades, é como se vivêssemos ali e que nada fosse mudar, acreditamos que nossas únicas mudanças seriam crescer, trabalhar, nós formar, casar, ter filhos e o mesmo se repetiria com nossos filhos!
Mais logo a vida se encarrega de te mostrar a verdadeira realidade, na medida em que vai crescendo vêm com ela às mudanças, e aos poucos você começa a perceber que nada e pra sempre e que até você mudará com o tempo é aí que você percebe que sua infância não foi tão perfeita quanto imaginou, a perfeição existia só enquanto estava vivendo ela... Porque não conhecia o caminho que iria percorrer, descobre que a infância também foi cheia de ilusões... Só demorou mais tempo pra se frustrar!
Quando criança se vive o hoje, sem se preocupa com o amanhã, mas quando cresce passa a se preocupa com o amanhã e se esquece do hoje, do agora. Faz planos que não concretizam, amizades que acreditam ser verdadeiras mais que um dia magoam, um amor pra sempre que sempre acaba, pessoas que ama e que acha que não importa o que aconteça sempre terão contato  mais um dia vão embora e nunca se torna o que era antes, você vive de expectativas, tudo não passou de planos, vivemos de ilusões, e ela que nós move, sempre fazendo planos, sonhando, sempre quebrando a cara e sempre botando a cara pra bater de novo!
Foi assim até hoje e sempre será assim, sonhando, desejando, acreditando, são essas três palavrinhas mágicas que depois de cair, se machucar, chorar, te faz levantar no outro dia e tentar de novo, nada como o gostinho da realização dos nossos sonhos impossíveis que se tornaram possíveis.
Por mais que às vezes a dor seja grande, não a como fugir eles sempre encontram um espacinho pra entrar, plantar a sementinha e dar frutos no nosso coração, talvez a vida não teria tanta graça se não tivéssemos o que almejar, as vezes dói muito e dá vontade de gritar, desistir, fugir, não liga pra mais nada, mais não há pra onde correr, uma hora ou outra temos que enfrentar as tempestades, o chão se abrindo, o mundo caindo na nossa cabeça, essa e a lei da vida!